A Katia mandou avisar: Começa hoje a Copa do Mundo de Parapente

Hoje (17), a partir das 19 horas, na Praça dos Pioneiros será realizada a abertura da Copa do Mundo de Parapente 2016 (Paraglider World Cup).  Mas quem vê os parapentes no céu de Valadares nem imagina que a origem do esporte tem relação com projetos de Leonardo da Vinci e da Nasa. Confira nas linhas abaixo um pouco da história do esporte.

Pois acreditem, foi com base nos desenhos de Leonardo da Vinci, que em 21 de novembro de 1783, os irmãos Montgolfier voaram por oito minutos em balões criados por eles. Em 1965, o engenheiro em aerodinâmica e pára-quedista norte americano David Barish foi encarregado de fazer um pára-quedas para o projeto Apollo. David construiu uma espécie de velame. Os primeiros testes foram realizados na montanha Hunter, em Nova Iorque (EUA). Este parapente, que ficou conhecido como slope soaring (vôo de talude), já contava com o bordo de ataque composto de extradorso e intradorso e dois painéis independentes. O tecido inferior cobria um terço da corda e ele era composto inicialmente por três gomos.

Em 1978, foi criado o Parachute Club d`Annemasse (França) para servir de treino aos paraquedistas na precisão de aterrissagem sem necessitarem utilizar avião. Em 1980, foi criado o primeiro estágio de vol de pente(vôo de encosta), que três anos depois recebeu o nome de parapente. Em 1985, é reconhecido como esporte pela “Fedération Française de Vol à Voile”.

Os primeiros países a realizarem campeonatos de parapente foram França e Suíça. Inicialmente as provas eram apenas de permanência de pouso, posteriormente, surgiu a prova de distância percorrida.

Atualmente, são realizadas provas de cross country e de acrobacias. No cross country uma comissão técnica define um trajeto com dois ou mais pontos a ser percorridos pelos pilotos. Cada um utiliza um GPS para seguir a rota definida, vence quem chegar primeiro ao final da prova (goal). A modalidade de acrobacia é realizada sobre a água por motivo de segurança. Neste tipo de prova os pilotos definem as manobras que vão realizar e os juízes analisam a velocidade, ritmo e conexão entre as manobras.

Em 1989 foi realizado o primeiro campeonato brasileiro de parapente na Serra do Vulcão, em Nova Iguaçu (RJ). O vencedor foi o piloto Bruno Menescal. O recorde mundial de distância livre foi obtido em 14 de novembro de 2007 quando os brasileiros Frank Brown, Rafael Saladini e Marcelo Pietro percorreram 461,8 km de Quixadá. No dia 9 de outubro de 2015 Frank Brown e Marcelo Pietro bateram novo recorde mundial de distância, desta vez, junto com Donizete Lemos percorreram a distância de 513 km de Tacima (PB) a Monsenhor Tabosa (CE). Em 13 de outubro do ano passado, Samuel Nascimento, Rafael Saladini e Donizete Lemos quebraram o recorde mundial de voo em distância ao percorrer 564 km em 11h45min de Tacima (PB) a Crateús (CE).

Em 92, pilotos de Valadares e da Uni –Voo  criaram a CVVL (atual Associação Valadarense de Voo Livre – AVVL).  Em 93, Valadares sediou pela primeira vez a Copa Mundial de Parapente (Paraglider World Cup) no Brasil. A organização foi da FUNSEC, ABVL e CVVL. A competição teve a participação de 350 pilotos de 22 países. Nesta época o Moisés Sodré, popularmente conhecido como Móka, estava trabalhando na equipe de salvamento da policia militar. Móka gostou tanto da competição que se interessou em aprender a modalidade. “Na época não existia curso de voo de parapente em Valadares. Aprendi com um ex-piloto como decolava e como pousava, comprei livros e depois de um tempo fui para BH e o piloto carioca Lucas Vasconcelos me avaliou e eu pude requerer o brevê de piloto.”, contou. Hoje Móka tem 22 anos de voo livre, dois títulos de campeão brasileiro, três de vice-campeão brasileiro, além de títulos estaduais, municipais e recordes em competição. Ano passado o piloto desceu com a tocha olímpica do pico do Ibituruna para área da Feira da Paz.

Comentários no Facebook