Imagens da internet

A Fifa quer receber US$ 5,3 milhões (quase R$ 20 milhões) de indenização por causa dos recentes escândalos protagonizados por Marco Polo Del Nero, José Maria Marin e Ricardo Teixeira, entre outros dirigentes acusados de corrupção. A entidade alega que a ação dos ex

-presidentes da CBF prejudicou a imagem da federação internacional.

O valor refere-se apenas a indenização pedida aos brasileiros: U$$ 1,673,171 de Marco Polo Del Nero, U$$ 3,514,025 de Ricardo Teixeira e U$$ 114,507 de José Maria Marin. Outros dirigentes que viraram réus após o escândalo de corrupção que atingiu a Fifa em maio do ano passado também, casos de Charles Blazer (U$$ 5,374,148), Jack Warner (U$$ 4,462,263) e Jeffrey Webb (U$$ 2,016,205).

No documento em que pede a indenização aos réus, a Fifa protesta contra os danos causados à entidade e usa palavras fortes contra os dirigentes.

– Durante muitos anos, os réus grosseiramente abusaram de seus cargos de confiança para enriquecerem-se, enquanto causavam danos diretos e significativo para a Fifa. Os prejuízos incluem grandes perdas financeiras (incluindo, mas não se limitando a perdas de salários e/ou benefícios pagos aos réus), bem como danos à reputação da Fifa, a propriedade intelectual e as relações de seus negócios.

Em seguida, diz que os prejuízos causados pelos réus atingem a casa dos dez milhões de dólares.

– O dano causado pela ganância dos acusados não pode ser exagerada. Suas ações mancharam profundamente a marca da e prejudicaram a capacidade da Fifa de usar seus recursos para realizar ações positivas em todo o mundo, e para atender a sua missão global de apoio e melhoria do jogo de futebol. Enquanto a investigação continua, as estimativas das perdas são de ao menos dez de milhões de dólares.

COMPARTILHAR
Marcus Vinícius Gomes
Réporter Esportivo desde 2010, 30 anos, apaixonado por futebol, viajou Minas Gerais nas melhores coberturas esportivas para Rádios, TV e claro, se divertindo fazendo aquilo que gostava, que é estar à beira do gramado.

Comentários no Facebook