Assessor de Temer citado em delação de ex-vice da Odebrecht pede demissão

Cláudio Melo Filho disse que empreiteira entregou R$ 4 milhões no escritório de advocacia de José Yunes em São Paulo; ele era um dos homens mais próximos ao presidente da República.

Após ser mencionado em acordo de delação premiada de ex-dirigente da Odebrecht, o assessor especial da Presidência José Yunes pediu demissão do cargo nesta quarta-feira (14), informou a Secretaria de Imprensa do Palácio do Planalto. Yunes trabalhava diretamente com o presidente Michel Temer, de quem é amigo.

Nos termos de confidencialidade – espécie de pré-delação que antecede a assinatura do acordo de delação premiada com a Procuradoria Geral da República (PGR) –, o ex-vice-presidente de Relações Institucionais do Grupo Odebrecht Cláudo Melo Filho afirmou que a empreiteira entregou R$ 4 milhões no escritório de José Yunes em São Paulo.

O dinheiro, segundo o delator, fazia parte de um montante de R$ 10 milhões solicitados por Temer ao então presidente da Odebrecht, Marcelo Odebrecht.

Fonte: G1

COMPARTILHAR
Pedro Santos
23 anos, Jampruquense, gestor de mídias na Laranjex Web Mídia, escrevo o que acontece na região leste de Minas Gerais e falo muito sobre Cultura.

Comentários no Facebook