BELO HORIZONTE (11.09.2016) Cruzeiro x Botafogo, no Mineirão, em Belo Horizonte, pela 24» rodada do Campeonato Brasileiro de 2016. Yuri Edmundo

O Cruzeiro ficou muito insatisfeito com o trio de arbitragem da partida contra o Botafogo, nesse domingo, no Mineirão. Nesta segunda-feira, o clube enviou uma carta à Confederação Brasileira de Futebol (CBF) e à Comissão de Arbitragem para questionar as decisões do árbitro Rafael Traci (PR), aspirante ao quadro da Fifa.

No duelo, válido pela 24ª rodada do Campeonato Brasileiro, o Cruzeiro acabou sendo derrotado por 2 a 0 e viu cair a invencibilidade de seis jogos. No documento encaminhado ao presidente da CBF, Marco Polo del Nero, e ao Presidente da Comissão de Arbitragem da entidade, Sérgio Corrêa, o clube celeste reclama da não marcação de uma falta no início da jogada que resultou no gol dos cariocas e do gol anulado de Ramón Ábila.

“A arbitragem do jogo apresentou um desempenho distante da grandeza da Série A do Campeonato Brasileiro e suas equipes, tendo participação efetiva em dois lances decisivos. Falta que gerou o segundo gol do Botafogo e anulação de gol legítimo assinalado pelo Cruzeiro. Para esclarecer essas questões, solicitamos que a ouvidoria faça a análise dos lances e nos envie parecer formal da partida completa”, afirmou o Cruzeiro no comunicado enviado à CBF e assinado por Bruno Vicintin, vice-presidente de futebol do clube.

O dirigente também afirma que Traci mentiu na confecção da súmula ao escrever que, após o duelo, o treinador do Cruzeiro o chamou de “sem vergonha”. Já o árbitro assistente Bruno Boschilia teria sido classificado como “bandeira de escolinha” por Mano, o que também foi negado, com a explicação de que a frase foi proferida por outro membro da comissão técnica.

“Em nenhum momento o senhor Mano Menezes utilizou a referência ‘sem vergonha’ ao árbitro. Trata-se de uma afirmação não verdadeira, sendo que a reclamação das marcações da arbitragem procede, inclusive sendo comprovadas pelas emissoras de televisão”, escreveu o clube.

“Na sequência dos relatos, afirma ter sido referida pelo Sr. Mano Menezes a seguinte frase: ‘Vá ver o impedimento que você deu, seu bandeira de escolinha.’ Nesse caso, temos mais um fato grave em relação ao comportamento do árbitro. Tal afirmação foi proferida pelo sengor Rafael Vieira, membro da comissão técnica do Cruzeiro”, acrescentou Vicintin.

Depois da partida contra o Botafogo, Vicintin foi aos microfones para declarar que o clube ‘se sente mais uma vez prejudicado’, fazendo referência a outros jogos em que a equipe celeste teria sido vítima de erros da arbitragem como no empate com o Corinthians, em São Paulo, e no duelo contra o América.

“O Cruzeiro está cansado de ser prejudicado seguidamente, reclamar e parecer que está tudo normal. A gente vem de um jogo com o Corinthians fora de casa, onde quase arrancaram a perna do Ábila, e o juiz não deu o pênalti. Depois pedem desculpas pra gente. No jogo contra o América, com menos de um minuto de jogo, o Ábila ia sair na cara do gol, e o bandeirinha deu um impedimento inexistente. Por sorte, ganhamos o jogo, e ninguém falou nada”, ressaltou.

Com a derrota, o Cruzeiro caiu para o 14º lugar no Brasileirão, com 29 pontos, a apenas dois da zona de rebaixamento. O time volta a jogar na próxima quinta-feira, contra o São Paulo, no Morumbi, pela 25ª rodada.

Confira a íntegra da carta envia pelo Cruzeiro à CBF:

Belo Horizonte, 12 de setembro de 2016

À Confederação Brasileira de Futebol

Ao Dr. Marco Polo Del Nero, Presidente da Confederação Brasileira de Futebol

c.c. Sr. Sérgio Corrêa, Presidente da Comissão de Arbitragem

O Cruzeiro Esporte Clube solicita à presidência da Confederação Brasileira de Futebol atenção aos recentes erros de arbitragem ocorridos nas partidas do Cruzeiro Esporte Clube.

Temos adotado como procedimento durante toda a competição reportar todos os fatos ao Sr. Sérgio Corrêa, presidente da comissão de arbitragem, no entanto, os fatos ocorridos no dia 11 de setembro de 2016, na partida entre Cruzeiro x Botafogo, merecem atenção especial.

A arbitragem do jogo apresentou um desempenho distante da grandeza da Série A do Campeonato Brasileiro e suas equipes, tendo participação efetiva em dois lances decisivos. Falta que gerou o segundo gol do Botafogo e anulação de gol legítimo assinalado pelo Cruzeiro. Para esclarecer essas questões, solicitamos que a ouvidoria faça a análise dos lances e nos envie parecer formal da partida completa.

Ainda assim gostaríamos de observar alguns procedimentos e condutas no sentido de elucidar fatos relatados na súmula da partida. Segundo o Sr. Rafael Traci, árbitro principal, o Sr. Luiz Antonio Vencker Menezes, técnico do Cruzeiro, teria proferido as seguintes palavras no túnel de acesso ao vestiário: “Vai ver o impedimento que o seu bandeira deu no final e a falta que você marcou no segundo gol, seu sem vergonha.” Em nenhum momento o Sr. Mano Menezes utilizou a referência “sem vergonha” ao árbitro. Trata-se de uma afirmação não verdadeira, sendo que a reclamação das marcações da arbitragem procede, inclusive sendo comprovadas pelas emissoras de televisão.

Na sequência dos relatos, afirma ter sido referida pelo Sr. Mano Menezes a seguinte frase: “Vá ver o impedimento que você deu, seu bandeira de escolinha.” Nesse caso, temos mais um fato grave em relação ao comportamento do árbitro. Tal afirmação foi proferida pelo Sr. Rafael Vieira, membro da comissão técnica do Cruzeiro. No momento em que o Sr. Rafael Vieira proferiu tal frase, a equipe de arbitragem da partida encontrava-se de costas, acessando o vestiário, portanto, creditar tal frase ao Sr. Mano Menezes é uma demonstração clara de despreparo.

Ainda vale ressaltar que o Sr. Felipe Duarte Varejão, quarto árbitro, não compareceu ao vestiário da equipe do Cruzeiro para colher a assinatura do capitão e devolver a documentação. Tal função foi delegada a funcionário da Federação Mineira de Futebol, contrariando o protocolo adequado.

Agradecemos a atenção, nos colocamos à disposição para todos os esclarecimentos necessários e seguiremos trabalhando para contribuir com a melhoria da qualidade da arbitragem do nosso país.

Bruno Bello Vicintin

Vice-Presidente de Futebol

FONTERadio Itatiaia
COMPARTILHAR
Marcus Vinícius Gomes
Réporter Esportivo desde 2010, 30 anos, apaixonado por futebol, viajou Minas Gerais nas melhores coberturas esportivas para Rádios, TV e claro, se divertindo fazendo aquilo que gostava, que é estar à beira do gramado.

Comentários no Facebook