Fundação Renova começa a pagar indenização para menores e incapazes, em Valadares

Na última sexta-feira (11), a Fundação Renova informou que o processo de pagamento de indenizações para menores e incapazes de Governador Valadares foi iniciada nesta semana. Para a liberação do pagamento, a Fundação Renova aguarda a avaliação de cada processo e a sua homologação pelo judiciário de Governador Valadares. A partir da publicação da sentença, a Fundação leva, em média, 30 dias para creditar o valor da indenização nos cartões que já foram entregues aos responsáveis pelos menores e incapazes.

PIM: PROGRAMA DE INDENIZAÇÃO MEDIADA

O PIM é o Programa de Indenização Mediada da Fundação Renova e tem como objetivo ressarcir as pessoas que foram impactadas pelo rompimento da barragem de Fundão. Isso é feito de forma simples, sem os trâmites e os custos de ações judiciais.

Em Governador Valadares, a indenização referente ao dano por interrupção no abastecimento e distribuição de água iniciou-se em novembro de 2016 e cerca de 48 mil pessoas já foram atendidas. A intenção é que todo o processo de indenização, para esse dano, seja concluído até o final de julho de 2017.

Para iniciar o processo de indenização é necessário realizar o agendamento por meio da Central de Relacionamento da Fundação Renova – 0800 031 2303. A adesão é voluntária e gratuita. Por se tratar de um processo bastante simples, a pessoa pode aderir ao programa por conta própria ou, se preferir, acompanhado de um advogado ou assistido por defensor público.

FUNDAÇÃO RENOVA

A Fundação Renova é uma instituição constituída para reparar os danos causados pelo rompimento da barragem de Fundão, de propriedade da Samarco Mineração S.A., localizada em Mariana (MG). Ela foi estabelecida por meio de um Termo de Transação e de Ajustamento de Conduta (TTAC), assinado entre Samarco, suas acionistas, os governos federal e dos estados de Minas Gerais e do Espírito Santo, além de uma série de autarquias, fundações e institutos (como Ibama, Instituto Chico Mendes, Agência Nacional de Águas, Instituto Estadual de Florestas, Funai, Secretarias de Meio Ambiente, dentre outros), em março de 2016.

Comentários no Facebook