Homem morre após ser atingido por raio em Malacacheta (MG)

Um homem morreu nesta sexta-feira (9) na zona rural de Malacacheta, no Vale do Mucuri, após ser atingido por uma descarga elétrica. Segunda a Polícia Militar, o ocorrido foi relatado por uma testemunha que estava trabalhando com a vítima, o Sr. Valdevino Miranda dos Santos, de 48 anos, no Córrego Trindade, quando um raio caiu em uma árvore perto deles.

Valdevino sofreu várias queimaduras e veio a óbito no local. O corpo da vítima foi encaminhado para o Instituto Médico Legal (IML) em Teófilo Otoni(MG).

ATENÇÃO

Para evitar acidentes com raios é preciso tomar alguns cuidados pessoais. Entre eles:

– Não saia de casa durante tempestades.

– Se estiver em um local desabrigado e sentir os pêlos arrepiados ou a pele coçar, ajoelhe-se e curve-se para a frente, pondo as mãos nos joelhos e a cabeça entre eles. Nunca deite no chão.

NA RUA

– Procure abrigo em prédios que tenham pára-raios ou abrigos subterrâneos, como túneis e metrô.

– Evite áreas abertas, como campos de futebol. Não se aproxime de cercas de arame, varais metálicos ou trilhos, assim como de torres de transmissão.

– Não fique embaixo de árvores

– Não use motos nem bicicletas.

– Permaneça dentro do carro ou do ônibus.

EM CASA

– Afaste-se de tomadas, canos, janelas e porta metálicas. Não use equipamentos elétricos e nem atenda telefone, exceto sem fio.

PÁRA-RAIOS

Obrigatoriedade: Conforme determina a Lei Municipal 12.557/07, é obrigatória a instalação do sistema de proteção contra descargas atmosféricas (SPDA) ou pára-raios em prédios que tenham a partir de dois andares (ou mais de sete metros de altura) e construções com mais de 400 metros quadrados.

Instalação: Um engenheiro eletricista deve fazer a análise do imóvel e instalação do pára-raios. Ao final do serviço, uma anotação de responsabilidade técnica (ART) deverá ser entregue ao responsável pelo prédio.

Modelo: Aquele estabelecido pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). O que tem cápsula radiotiva não deve ser usado. Segundo o Cosedi, cerca de 30% dos encontrados em prédios são deste modelo. O não-cumprimento da norma, estabelecida em 1992, gera multa ao proprietário ou síndico que pode chegar a R$ 500.

Manutenção: Anual.

 

COMPARTILHAR
Pedro Santos
23 anos, Jampruquense, gestor de mídias na Laranjex Web Mídia, escrevo o que acontece na região leste de Minas Gerais e falo muito sobre Cultura.

Comentários no Facebook