Nove vereadores receberam propostas de até R$130mil para eleger presidente da Câmara

Delator diz que cada um dos nove vereadores receberam a proposta de receberem até R$130 mil reais para elegerem o próximo Presidente da Câmara.

Foto: Reprodução Internet

O Jornal Estado de Minas divulgou na manhã desta terça-feira(21), uma matéria informando mais sobre o esquema de corrupção existente na cidade de Governador Valadares após a delação de um funcionário do SAAE preso na Operação Mar de Lama.

De acordo com o jornal, visando a eleição deste ano à Prefeitura de Valadares, políticos investigados na Operação Mar de Lama ofereceram uma vultosa propina a um grupo de nove vereadores. Cada um receberia de R$ 100 mil a R$ 130 mil. É o que revela a delação premiada de Jefferson Lima, preso em maio, e que envolve o presidente do Esporte Clube Democrata, Edvaldo Soares, um dos pré-candidatos do PMDB à prefeitura.

O promotor Evandro Ventura, do Ministério Público de Minas Gerais (MPMG), concordou com a delação premiada por Jefferson ser ex-diretor do Serviço Autônomo de Água e Esgoto (Saae), autarquia municipal onde nasceu a organização criminosa, e um dos homens de confiança de Omir Quintino, apontado como um dos cabeças do grupo que desviou dinheiro do Executivo e orquestrou o pagamento de propinas no Legislativo.

A confissão será checada ponto a ponto pelo promotor: “Vou convocar Edvaldo para esclarecimentos”. O delator contou que o cartola do Democrata almejava ser o vice na chapa do PT – encabeçada provavelmente pelo deputado federal Leonardo Monteiro – à sucessão de Elisa Costa, que está no segundo mandato e não pode disputar novamente. Para conseguir o passaporte na chapa, segundo a delação, Edvaldo acreditava que, primeiramente, deveria ser eleito presidente do diretório municipal do seu partido, o PMDB.

Ele avaliou que chegaria à presidência da legenda com maior facilidade, ainda segundo o delator, se o único vereador do PMDB, Doutor Marcílio, fosse eleito presidente da Câmara. Em outras palavras, teria o caminho aberto. Por isso, afirmou Jefferson ao promotor, o manda-chuva do time de futebol estava disposto a desembolsar a fortuna.

O contato de Edvaldo seria Omir (o cabeça da organização). Ele, por sua vez, procurou o então presidente do Legislativo, Geovane Honório (PT). Foi o que Jefferson contou ao promotor: “Edvaldo ofereceu a Geovane Honório, por intermédio de Omir, de R$ 100 mil a R$ 130 mil para cada parlamentar”. Mas o plano não vingou. Segundo o delator, por causa da ganância do parlamentar encarregado de arregimentar os votos em favor do peemedebista.

Jefferson afirmou que Geovane Honório “mentiu” para os colegas, “dizendo que Edvaldo tinha oferecido cerca de R$ 30 mil” para quem votasse em Doutor Marcílio. Para o delator, o então presidente da Câmara “queria embolsar o restante do dinheiro”. A trapaça foi descoberta e os vereadores, ainda conforme a confissão de Jefferson, se rebelaram: “Por ato de rebeldia, votaram em Adauto Carteiro”.

Desde maio, Carteiro, Geovane e mais 10 parlamentares estão afastados do cargo, por decisão judicial, acusados de receberem propinas, como um mensalinho pago pela Valadarense, empresa que detém o monopólio do transporte de passageiros na cidade. Dos 12 vereadores, cinco estão presos. Todos são alvos de processos na Comissão de Ética e Decoro do Legislativo, que tem até o fim da primeira quinzena de julho para se manifestar pela cassação ou não dos mandatos.

Apoio

Na semana passada, a Justiça aceitou denúncia do MPMG contra os 12 parlamentares. Doutor Marcílio não é investigado na Mar de Lama. Ele desconhece o conteúdo da delação premiada de Jefferson. “O Edvaldo, realmente, queria ser presidente do diretório municipal. Mas não entrou em contato comigo em nenhum instante para me dizer que iria me apoiar. Digo que, até semana passada, (o cartola) era pré-candidato à prefeitura. O Renato Fraga (atual presidente do diretório municipal do PMDB) se colocou como candidato, mas ele está fazendo composição com outros partidos;”

Já o presidente do Democrata não retornou o pedido de entrevista. Geovane, ex-presidente do Legislativo, não atendeu o telefone celular. A reportagem do Estado de Minas também não conseguiu contato com os advogados de Omir e Jefferson. A delação premiada dele inclui outras confissões, como um esquema para desviar dinheiro do Instituto de Previdência dos Servidores Municipais, o Iprem.

Jefferson fazia parte do conselho deliberativo da entidade e trabalhava para ser o presidente do instituto. Ele e outros integrantes do grupo souberam que o Iprem construiria uma nova sede e pretendiam superfaturar o projeto. O delator informou ao promotor que ele e outro investigado “combinaram realmente que seria importante indicar uma pessoa da confiança de ambos para que ele pudesse superfaturar o projeto e, consequentemente, os envolvidos ficarem com os valores superfaturados”.

Reportagem: Paulo Henrique Lobato

FONTEEstado de Minas
COMPARTILHAR
Redação
Como maior ouvidoria popular de Governador Valadares, o Programa Valadares na TV se destaca por levar informação e conteúdo exclusivo de problemas e assuntos de nossa cidade.

Comentários no Facebook