Onça atropelada em estrada chama atenção no Sul de Minas

Animal foi atingido por carro e trânsito na rodovia ficou parado. Caminhoneiro diz que não tinha placas de sinalização na via alertando sobre animais silvestres

O atropelamento de uma onça chamou atenção de motoristas e passageiros que circulavam entre Marmelópolis e Delfim Moreira, no Sul de Minas Gerais, para os riscos contantes de animais silvestres cruzando as rodovias. O caminhoneiro Perteson Sampaio, de 42 anos, que passava pelo local, disse que não viu placas de advertência de animais silvestres ao longo da via, um dos principais acessos dos mineiros a Aparecida do Norte, em São Paulo.

O acidente foi na MG-350, sentido Campos do Jordão (SP), na tarde da segunda-feira. A onça foi atropelada por um veículo Gol, que teve o para choque dianteiro destruído. Não houve pessoas feridas. “Cheguei logo depois do atropelamento e vi o animal agonizando no meio da pista. O trânsito ficou parado, até que ele se arrastando entrou na mata. Estou há cinco anos nas estradas e é comum ver animais silvestres mortos ou feridos. Mas foi a primeira vez que me deparei com uma onça. Deu dó assistir aquela cena, sem que ninguém pudesse fazer algo para que ela não morresse”, lamentou Peterson.

O sargento Eduardo Venâncio, da Polícia de Meio Ambiente, explica que muitos animais silvestres tem deixado seu hábitat devido ao desmatamento e a expansão de propriedades rurais. Sem alimentos, eles são atraídos para as áreas urbanas.

Para Peterson, faltam ações nas estradas que visam a preservação da fauna brasileira. “São muitos os atropelamentos desse tipo e a polícia tem se esforçado apenas para retirada rápida dos corpos. Deveriam pensar em algo, como cercas ou pelo menos sinalização”, sugeriu. A onça foi atropelada por um veículo Gol, que teve o para choque dianteiro destruído. Não houve feridos.

Informações EM.com.br

COMPARTILHAR
Pedro Santos
23 anos, Jampruquense, gestor de mídias na Laranjex Web Mídia, escrevo o que acontece na região leste de Minas Gerais e falo muito sobre Cultura.

Comentários no Facebook