Prefeitura de Valadares e Sinsem buscam solução conjunta para demandas da categoria

Representantes do governo municipal e do Sindicato dos Servidores Municipais de Governador Valadares (Sinsem) voltaram a se reunir no último dia 9 para discutir as reivindicações da categoria. Além da recomposição salarial, os servidores pedem, entre outros itens, revisão da carga horária. Embora não tenha recursos suficientes em caixa, o governo está mobilizado e busca uma solução conjunta.

Durante o encontro, o diretor do Sinsem, Dirley Henriques, informou que a Lei de Planos de Cargos e Salários gerou expectativas e a atual administração tem de resolver o problema, como também atender às demais reivindicações que vêm sendo pleiteadas, muitas delas há anos. Algumas já foram atendidas, como fim do assédio moral, revisão de insalubridade e pagamento de periculosidade aos vigias.

Segundo o secretário de Governo, Tony Diniz, todas as demandas estão sendo levadas em consideração e analisadas, especialmente as que se referem ao reajuste salarial, e ele reconhece que o servidor público está castigado, há três ou quatro anos sem aumento. A proposta do governo é fazer o possível para atender o servidor e o Sinsem, e, para isso, solicitou mais tempo para avaliar a situação do município.

“Pedimos ao Sinsem um tempo para concluirmos as análises das auditorias internas e levantamentos das dívidas da Prefeitura e SAAE, isso para não fazermos nenhum compromisso financeiro com o servidor e não conseguirmos cumpri-lo”, enfatizou o secretário. “Queremos fazer um compromisso com responsabilidade, que possa ser cumprido”, reafirmou, agradecendo ao Sinsem e servidores pela paciência que estão tendo com o governo.

Novo encontro está agendado para março. O presidente do Sinsem, Waldecir da Silva, e demais diretores foram recebidos pelos secretários José Geraldo Pedra Sá (Planejamento), Jamir Calili Ribeiro (Fazenda), Marcos Sampaio (Administração), Nilton David Barroso (Comunicação e Chefia de Gabinete), Alcyr Nascimento (SAAE) e Tony Diniz (Governo).

Comentários no Facebook