Sobe para 47 o número de mortes confirmadas por Febre Amarela em Minas Gerais

Um novo boletim epidemiológico divulgado hoje (20), pela Secretaria Estadual de Saúde de Minas Gerais, trouxe um aumento em relação às 23 mortes por febre amarela confirmadas ontem.

Até o momento (20/01), foram notificados 272 casos suspeitos de Febre Amarela, sendo que desses 47 são casos confirmados. Foram considerados casos confirmados aqueles que apresentaram:

  • Exame laboratorial detectável para Febre Amarela;
  • Exame laboratorial não detectável para dengue;
  • Histórico vacinal (não vacinado/vacinação ignorada);
  • Sinais e sintomas compatíveis com a definição de caso
  • Exames complementares que caracterizam disfunção renal/hepática.

Em relação aos óbitos, há 71 óbitos suspeitos. Desses, 25 óbitos foram confirmados. Essas mortes ocorreram nos municípios de Ladainha (8), Piedade de Caratinga (2), Ipanema (3), Malacacheta (2), Imbé de Minas (1), São Sebastião do Maranhão (2), Frei Gaspar (1), Itambacuri (2), Poté (1), Setubinha (1), Teófilo Otoni (1), Ubaporanga (1)

Transmissão silvestre

A febre amarela é causada por um vírus da família Flaviviridae e ocorre em alguns países da América do Sul, América Central e África. No meio rural e silvestre, ela é transmitida pelo mosquito Haemagogus. Já em área urbana, o vetor é o Aedes aegypti, o mesmo da dengue, do zika vírus e da febre chikungunya.

Segundo o Ministério da Saúde, a transmissão da febre amarela no Brasil não ocorre em áreas urbanas desde 1942. A SES-MG considera que nenhum dos casos suspeitos no estado são urbanos. Além disso, dos vinte e três óbitos confirmados pelo Instituto Evandro Chagas em Minas Gerais, quatro seguramente ocorreram por transmissão silvestre. Os demais ainda estão em análise.

Vacinação

Nesta semana, a Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais enviou outras 30 mil doses de vacinas contra a febre amarela para Valadares. A ideia é imunizar todos os moradores do município que tenham de nove meses a 59 anos e/ou que não tenham tomado a primeira dose ou o reforço após dez anos. Pessoas com mais de 60 anos e gestantes que não tenham se vacinado devem seguir orientação médica. Vale lembrar que bastam duas doses para a pessoa ficar protegida contra a doença por toda a vida.

Valadares conta com 59 unidades de saúde, além de dez UBSs (Unidades Básicas de Saúde), e praticamente todas estão vacinando. Pode ser que, por falta de funcionários (que se encontram de férias), alguma unidade esteja realizando a vacinação apenas em determinado horário – situação que já está sendo revista pela administração municipal. Além disso, em função da grande procura, pode ocorrer um desabastecimento temporário em alguns locais. Neste caso, é preciso calma e compreensão por parte da população, já que o governo do Estado, responsável pela distribuição das vacinas, tem se esforçado para manter o abastecimento, garantindo a cobertura vacinal a todos aqueles que fazem parte do grupo prioritário. A prioridade para receber as doses é das cidades onde há surto, o que não é o caso de Valadares.

Para receber qualquer uma das doses, é preciso levar o cartão de vacinas e um documento de identificação a qualquer unidade de saúde, de segunda a sexta-feira.

 

Comentários no Facebook