PEC da Imunidade

Quase 200 deputados assinam autoria da PEC que dificulta prisão de parlamentar

Projeto altera 5 artigos da Constituição

25/02/2021 17h55
Por: Redação
Fonte: Congresso em foco e G1
Foto: Câmara dos Deputados
Foto: Câmara dos Deputados

A Câmara discute nesta quinta-feira (25) o mérito da PEC 3/2021, que dificulta prisão e afastamento de parlamentares pela Justiça. A chamada PEC da Imunidade contou com a assinatura de quase 200 deputados do PSDB, PP, Pros, Republicanos, PSL, DEM, PTB, Cidadania, PV, Avante, MDB, Solidariedade e PSD.

Ontem os deputados aprovaram, por 304 votos a favor, 154 votos contra e duas abstenções, a admissibilidade de PEC. O texto foi apresentado na terça-feira (23), vai à comissão especial, e deve passar pelo primeiro turno de votação ainda hoje.

A matéria foi criticada por diferentes parlamentares e entidades civis por atropelar os ritos da Casa, sem ter sido analisado pela Comissão de Constituição e Justiça. O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), disse em entrevista coletiva na manhã de hoje que "o debate de admissibilidade deveria se ater apenas à sua constitucionalidade" e que o que estava sendo discutido pela imprensa "não condiz com a realidade do princípio que queremos estabelecer". Lira disse ainda que a presidência não é dona da Câmara o mérito deve ser analisado pelo plenário. "Não importa como as matérias chegam, mas sim como elas saem", afirmou.

PEC da Imunidade 

Prisão Parlamentar

Como é hoje: Parlamentares têm imunidade parlamentar e só podem ser presos em flagrante por crime inafiançável.

Como fica: O parlamentar só pode ser preso em flagrante por crime inafiançável previsto na Constituição. Entre os quais, racismo, tortura, tráfico de drogas ilícitas, terrorismo, crimes hediondos e ação de grupos armados, civis ou militares, contra a ordem constitucional e o Estado Democrático.

Rito em caso de prisão em flagrante

Como é hoje: A Câmara (no caso de deputado) ou Senado (se for senador) tem que ser notificado em até 24 horas sobre a prisão em flagrante e submeter ao plenário a análise da medida. O plenário pode revogar a prisão ou mantê-la por decisão da maioria absoluta (isto é, 257 deputados ou 41 senadores).

Como fica: O parlamentar preso fica em custódia nas dependências da própria Câmara ou do Senado até que o plenário se pronuncie. Se o plenário decidir manter a prisão, o parlamentar preso será submetido a uma audiência de custódia pelo juízo competente. O texto diz que o juiz deverá relaxar a prisão, concedendo liberdade provisória. Ele só poderá mantê-lo preso se houver manifestação do Ministério Público pedindo a conversão para prisão preventiva ou a adoção de medidas cautelares.

 

BUSCAR

 menu g1 editorias

 editorias agro

 editorias bem estar

 editorias ciência e saúde

 editorias economia

 economia agro

 economia pme

 editorias educação

 editorias natureza

 editorias política

 editorias pop & arte

 editorias tecnologia

 editorias turismo e viagem

 menu g1 regiões

 regiões centro-oeste

 centro-oeste distrito federal

 centro-oeste goiás

 centro-oeste mato grosso

 centro-oeste mato grosso do sul

 regiões nordeste

 nordeste alagoas

 nordeste bahia

 nordeste ceará

 nordeste maranhão

 nordeste paraíba

 nordeste pernambuco

 pernambuco recife e região

 pernambuco caruaru e região

 pernambuco petrolina e região

 nordeste piauí

 nordeste rio grande do norte

 nordeste sergipe

 regiões norte

 norte acre

 norte amapá

 norte amazonas

 norte pará

 pará belém e região

 pará santarém e região

 norte rondônia

 norte roraima

 norte tocantins

 regiões sudeste

 sudeste espírito santo

 sudeste minas gerais

 minas gerais belo horizonte e região

 minas gerais centro-oeste

 minas gerais grande minas

 minas gerais sul de minas

 minas gerais triângulo mineiro

 triângulo mineiro uberlândia

 triângulo mineiro uberaba

 minas gerais vales de minas gerais

 minas gerais zona da mata

 sudeste rio de janeiro

 rio de janeiro rio de janeiro e região

 rio de janeiro norte fluminense

 rio de janeiro região dos lagos

 rio de janeiro região serrana

 rio de janeiro sul e costa verde

 sudeste são paulo

 são paulo são paulo e região

 são paulo bauru e marília

 são paulo campinas e região

 são paulo itapetininga e região

 são paulo mogi das cruzes e suzano

 são paulo piracicaba e região

 são paulo prudente e região

 são paulo ribeirão preto e franca

 são paulo rio preto e araçatuba

 são paulo santos e região

 são paulo são carlos e araraquara

 são paulo sorocaba e jundiaí

 são paulo vale do paraíba e região

 regiões sul

 sul paraná

 paraná curitiba e região

 paraná campos gerais e sul

 paraná norte e noroeste

 paraná oeste e sudoeste

 sul rio grande do sul

 sul santa catarina

 menu g1 telejornais

 telejornais autoesporte

 telejornais bom dia brasil

 telejornais fantástico

 fantástico quadros e séries

 telejornais globo repórter

 telejornais globo rural

 telejornais hora 1

 telejornais jornal da globo

 telejornais jornal hoje

 telejornais jornal nacional

 telejornais pequenas empresas

 pequenas empresas quadros

 telejornais profissão repórter

 menu g1 globonews

 globonews jornais

 globonews programas

 globonews podcasts

 globonews redes sociais

 menu g1 podcasts

 menu g1 serviços

 menu g1 vídeos

 menu g1 especial publicitário

grupo globo

Câmara dá aval à PEC sobre imunidade parlamentar; entenda a proposta

Deputados ainda terão que analisar o mérito do texto, o que pode acontecer nesta quinta. Projeto será aprovado se tiver ao menos 308 votos favoráveis, em dois turnos de votação.

Por Fernanda Calgaro e Elisa Clavery, G1 e TV Globo — Brasília

 

24/02/2021 22h24  Atualizado há uma hora

 

A Câmara dos Deputados deu aval nesta quarta-feira (24), por 304 votos a 154, à tramitação de uma proposta de emenda à Constituição (PEC) que cria novas regras para a imunidade parlamentar e a prisão de deputados e senadores.

 

Os deputados não analisaram o mérito (conteúdo) do texto, somente os aspectos formais. Ou seja, se a redação está de acordo com a técnica legislativa e não fere princípios jurídicos ou constitucionais. A chamada admissibilidade precisava ser aprovada pela maioria dos presentes. Como 461 deputados participaram, eram necessários 231 votos.

 

A PEC é uma reação à prisão em flagrante do deputado Daniel Silveira (PSL-RJ), determinada pelo Supremo Tribunal Federal (STF). A prisão foi motivada por um vídeo que ele divulgou na internet com apologia ao AI-5, ato mais duro da ditadura militar, e defesa da destituição de ministros do STF. As duas pautas são inconstitucionais.

 

Câmara tenta votar às pressas emenda para tornar a prisão de deputados mais difícil

Câmara tenta votar às pressas emenda para tornar a prisão de deputados mais difícil

 

O conteúdo da proposta pode ser analisado já nesta quinta-feira (25). Por se tratar de uma alteração na Constituição, a PEC tem que ser votada em dois turnos. Para ser aprovada, precisa dos votos de pelo menos 308 dos 513 deputados. Depois, vai ao Senado.

 

A PEC foi incluída na pauta do plenário da Câmara horas após ter sido protocolada, sem passar por nenhuma comissão antes, o que gerou críticas de alguns partidos, como PSOL e Novo.

 

O parecer da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), primeira etapa de tramitação de uma PEC, foi apresentado diretamente no plenário pela relatora, Margarete Coelho (PP-PI).

 

Quando for analisado o mérito, um novo parecer será apresentado, que poderá manter o texto original ou sugerir mudanças.

 

PEC imunidade parlamentar: texto restringe eventuais prisões de deputados e senadores

PEC imunidade parlamentar: texto restringe eventuais prisões de deputados e senadores

 

O que diz a PEC?

Saiba, ponto a ponto, o que diz a proposta em discussão na Câmara:

 

Prisão de parlamentar

Como é hoje: Parlamentares têm imunidade parlamentar e só podem ser presos em flagrante por crime inafiançável.

 

Como fica: O parlamentar só pode ser preso em flagrante por crime inafiançável previsto na Constituição. Entre os quais, racismo, tortura, tráfico de drogas ilícitas, terrorismo, crimes hediondos e ação de grupos armados, civis ou militares, contra a ordem constitucional e o Estado Democrático.

 

No caso de Daniel Silveira, a prisão foi enquadrada pelo ministro Alexandre de Moraes em crimes contra a ordem pública especificados na Lei de Segurança Nacional.

 

Segundo o autor da PEC, Celso Sabino (PSDB-PA), a prisão de parlamentar em flagrante não precisa ser confirmada pelo plenário da Suprema Corte, que reúne os 11 ministros.

 

Se a proposta for aprovada, parlamentares avaliam que as mudanças teriam efeito retroativo e poderiam beneficiar casos como o de Daniel Silveira. Isso porque, segundo o deputado Fabio Trad (PSD-MS), a Constituição prevê que a lei penal deve retroagir para favorecer o réu.

 

 

Rito em caso de prisão em flagrante

Como é hoje: A Câmara (no caso de deputado) ou Senado (se for senador) tem que ser notificado em até 24 horas sobre a prisão em flagrante e submeter ao plenário a análise da medida. O plenário pode revogar a prisão ou mantê-la por decisão da maioria absoluta (isto é, 257 deputados ou 41 senadores).

 

Como fica: O parlamentar preso fica em custódia nas dependências da própria Câmara ou do Senado até que o plenário se pronuncie. Se o plenário decidir manter a prisão, o parlamentar preso será submetido a uma audiência de custódia pelo juízo competente. O texto diz que o juiz deverá relaxar a prisão, concedendo liberdade provisória. Ele só poderá mantê-lo preso se houver manifestação do Ministério Público pedindo a conversão para prisão preventiva ou a adoção de medidas cautelares.

Alcance da imunidade parlamentar

Como é hoje: Deputados e senadores têm imunidade parlamentar, civil e penalmente, por quaisquer opiniões, palavras e votos. O princípio da imunidade parlamentar é dar garantia institucional ao parlamentar para que não seja perseguido por ideias e opiniões.

Como fica: A imunidade parlamentar fica mantida, mas o parlamentar só pode responder por suas declarações em um processo disciplinar no Conselho de Ética da Câmara ou do Senado, que eventualmente pode levar à perda do mandato. Não poderá ser responsabilizado civil ou penalmente de jeito nenhum.

Medida cautelar

Como é hoje: Medidas cautelares, como afastamento do mandato ou restrição para frequentar determinados lugares, podem ser decididas pelo juízo competente do caso.

Como fica: Qualquer medida que afete o mandato parlamentar não pode ser dada em regime de plantão judiciário e só terá efeito depois de ser confirmada pelo plenário do STF. A PEC veda expressamente que o parlamentar seja afastado temporariamente do mandato por uma decisão judicial.

Busca e apreensão

Como é hoje: Juiz responsável pelo caso pode determinar busca e apreensão que tenham parlamentares como alvo.

Como fica: Somente o STF poderá determinar busca e apreensão com deputado ou senador como alvo quando forem cumpridas nas dependências da Câmara ou do Senado ou nas residências de parlamentares. No caso de ser na dependência das casas legislativas, o cumprimento da medida deve ser acompanhado pela Polícia Legislativa da Câmara ou do Senado.

Deputados estaduais

Como é hoje: Na avaliação de parlamentares, o princípio da simetria já prevê que prerrogativas de deputados federais e senadores sejam transferidas para deputados estaduais.

Como fica: PEC deixa essa simetria explícita para dar maior segurança jurídica ao tema. A proposta também prevê que deputados estaduais tenham as mesmas prerrogativas de senadores e deputados federais no que diz respeito à imunidade parlamentar. Portanto, só poderão ser presos por crimes em flagrante e inafiançáveis previstos na Constituição. Outro exemplo é que, se preso nesta situação, o deputado estadual também ficará custodiado na respectiva assembleia legislativa.

Lei da Ficha Limpa

Como é hoje: Na parte que trata de direitos políticos, a Constituição remete à lei complementar outros casos em que cidadãos não podem ser eleitos. Segundo essa lei, conhecida como Lei da Ficha Limpa, fica inelegível por oito anos o candidato que tiver o mandato cassado, renunciar para evitar a cassação ou for condenado por decisão de órgão colegiado, mesmo que ainda exista a possibilidade de recursos.

Como fica: A proposta estabelece que a inelegibilidade prevista na Lei da Ficha Limpa só produzirá efeitos com a observância do duplo grau de jurisdição. Na prática, isso significa que a inelegibilidade só ocorre após um recurso.

Nenhumcomentário
500 caracteres restantes.
Seu nome
Cidade e estado
E-mail
Comentar
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Mostrar mais comentários
Governador Valadares - MG
Atualizado às 11h49
25°
Muitas nuvens Máxima: 30° - Mínima: 14°
25°

Sensação

7 km/h

Vento

61%

Umidade

Fonte: Climatempo
quadrado home
Municípios
Últimas notícias
quadrado 3
Mais lidas
Anúncio
Anúncio